Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Mudança de comportamentos

05.07.17

mudar.jpg

LIXO ZERO, ORGANIZAÇÃO, MINIMALISMO, estes são alguns temas que me têm seduzido nos últimos tempos. Estou muito longe de atingir qualquer um deles, no entanto tenho dado pequenos passos nesse caminho.

LIXO ZERO: este é um tema apaixonante mas é tão difícil de mudar o nosso comportamento. É tão mais fácil comprar artigos embalados, colocar no lixo o que não necessitamos e "puft", lá desaparece como que por magia…

ORGANIZAÇÃO: mais um tópico difícil lá em casa, eu tento arrumar, organizar, mas com 3 filhos e um marido que é um acumulador, ui, é difícil sim. E aqui me confesso, arrumo as minhas gavetas da roupa mas passado uns tempos volta o caos. Existe aquele provérbio, "Mais custa mal fazer, que bem fazer" (ou de forma simplista, "custa tanto fazer bem como fazer mal") mas na correria do dia-a-dia às vezes preciso de parar para pensar no que estou a fazer e refazer de forma correcta.

MINIMALISMO: estou a anos-luz de ser minimalista, no entanto a ideia seduz-me imenso, faz todo o sentido tentar viver com menos, simplificar a nossa vida. Actualmente vivemos numa sociedade em que o "ter" e "parecer" é muito importante, trabalhamos uma vida inteira para ter o que achamos que a sociedade exige, para parecermos alguém de sucesso, aparentemente feliz mas sem verdadeiramente o ser.

 

Espero que daqui a um ano possa dizer que estou mais próxima de viver uma vida lixo-zero, mais minimalista e organizada.

 

A propósito da mudança de comportamentos, li uma crónica no site Apezinho que demonstra como é possível existir uma mudança de comportamentos, passarmos de acumuladores e desorganizados para o oposto, mais próximos de um estilo organizado e minimalista. Vale a pena ler: "Casal Detox 

publicado às 12:01

Sou muito organizada na cozinha e não sabia :)

06.03.17

Esta semana que passou andei tão organizada com as refeições, fiquei espantada comigo própria!

Na terça-feira fiz jantar para esse dia e adiantei o de quarta (polvo à lagareiro).

Ontem em cerca de 1h, 1h e meia, fiz jantar de Domingo e de Segunda (e quem sabe mais algum dia):

  • Bacalhau à Conde da Guarda (receita feita na Yammi2) mas em maior quantidade.
  • Sopa de Espinafres (levou parte da água de cozer o bacalhau)
  • Frango estufado
  • Legumes assados
  • Salada de alface e espinafres (com parte dos espinafres que sobraram da sopa)
  • Queijadas de leite paleo

 

Menus

  • Domingo: sopa + bacalhau à conde + salada de alface e espinafres 
  • Segunda-feira: sopa + frango estufado + legumes assados (provavelmente farei uma massa para os pequenos)

Ontem sobrou bastante bacalhau, provavelmente será a refeição de terça-feira, pois vou chegar tarde nesse dia.

Se sobrar frango irei incorpora-lo noutra receita. Ou então aqueço esse frango para os miúdos e faço uns ovos escalfados para os adultos (no molho de tomate, hummm).

 

Quais os truques para tanta coisa em tão pouco tempo?  

  • Enquanto a Yammi fazia o refogado (5 minutos) e cozia o bacalhau (10 minutos) arranjei as batatas para o puré, os legumes para a sopa, para o assado de legumes e para o frango estufado.
  • Enquanto fazia o puré (25 minutos) coloquei o frango no tacho, com os devidos temperos e a cenoura. Lavei a alface e os espinafres
  • O facto de não ter de lavar o copo da yammi facilita imenso, depois de o bacalhau estar feito é só acrescentar os legumes para a base da sopa, o caldo de bacalhau (que aromatizou bastante a sopa e assim não foi desperdiçado).
  • O meu forno é ventilado, por isso consigo usar até 3 níveis ao mesmo tempo. Assim, numa primeira fase coloquei o bacalhau e os legumes. Quando retirei o bacalhau, coloquei nesse nível o tabuleiro com as queijadas.

 

As receitas: 

 

 

 

publicado às 12:47

Organização #2

27.12.16

Sermos mães exige-nos um conjunto variado de competências, que no inicio parecem ser muito complicadas mas com o passar do tempo se simplificam.

Competências médicas: quando saber que é preciso ir mesmo ao médico, qual o medicamento a dar (e como não trocar as doses).

Quando ainda só tinha uma filha (e tudo parecia tão complicado) consultei várias vezes o livro do Mário Cordeiro "O Grande Livro do Bebé", socorria-me de fóruns da Internet e outros sites médicos. Também fiz bom uso da linha de saúde 24: 808 24 24 24.

Com o segundo e terceiro filhos os stresses são menores, tudo flui de forma mais suave (mesmo que seja sempre a 1000 à hora). Já raramente meço a febre (consigo perceber se têm febre ao olhar para eles, ao tocar-lhes), sei quais são as primeiras abordagens e conheço os sintomas de várias doenças.

No entanto, se temos 2 (ou 3) filhos doentes, com medicações diferentes, a coisa complica-se. Já me aconteceu, ter dois a tomar antibiótico e 3 a fazer aerossóis. A solução passou por escrever, nas embalagens dos antibióticos com letras garrafais, o nome de cada um, a dose e as horas de administração (e tento sempre que seja a mesma hora), a data de inicio e de fim.

No frigorífico coloco as prescrições, com anotação das doses (por exemplo, no caso dos aerossóis).

Tento comprar medicações que dêem para 2 ou mesmo para os 3. Por exemplo, no caso das vitaminas, compro umas que possa dar aos dois mais velhos (em doses diferentes, claro) o mesmo para xaropes para a tosse. E mesmo assim, tenho em casa uma minifarmácia! (e felizmente os meus filhos não são crianças de ficarem muitas vezes doentes).

Hoje tive de levar 2 ao médico, estão com febre baixa, tosse, dor de cabeça, rabujice, enfim, um conjunto de sintomas. E confesso que não foi fácil recordar quando é que a B. e o R. começaram com febre... o que me leva a pensar que tenho de começar a registar na agenda o início dos sintomas (e quais são).

publicado às 15:24

Organização #1

15.12.16

Lá em casa somos 5, 3 crianças e 2 adultos.

E 2 cães, 1 gato e 8 galinhas.

As crianças têm actividades extra curriculares (o dia da natação, dos trampolins, da ginástica), festas de aniversário (às vezes mais do que 1 por semana), avaliações, todos temos consultas médicas (excepto ali os da segunda frase). 

Por vezes os pequenos têm visitas de estudo, e reuniões das escolas onde os pais têm de ir.

A minha cabeça já não é o que era (dizem que a maternidade encolhe um pouco o nosso cérebro)

Assim sendo, desde que estava grávida do R. (o caçula lá de casa) que adoptei o sistema de calendário na porta do frigorífico. Por norma imprimo uma página mensal no outlook (na verdade 2, já que imprimo um mês de um lado da folha, outro mês do outro lado), onde aponto eventos, reuniões, actividades, dias de atendimentos, etc.

Já cheguei a usar um código de cores (uma cor para cada filho) mas depressa desisti.

Para 2017 já fiz download de um calendário todo giro, se é para afixar no frigorífico, ao menos que seja com estilo (infelizmente não me recordo de onde fiz download mas aqui está um muito giro).

Calendário.JPG

 

Tenho também uma agenda em papel, onde duplico esses apontamentos e ainda acrescento outros. Podia usar uma agenda no telemóvel, mas escrever ajuda-me a lembrar. E gosto de apontar algumas ideias e pensamentos.

  

publicado às 15:23


foto do autor




calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


1livropormês


Posts mais comentados


Destralhar